Mediação e Inclusão



“Diga-me eu esquecerei, ensina-me e eu poderei lembrar, envolva-me e eu aprenderei.”

Benjamin Franklin

Sempre digo: incluir não é tarefa fácil, pois a inclusão parte do amor e dedicação, não só das estratégias para adaptação do ser ao meio.

O olhar não deve ser para as limitações que este ser apresente, mas para as potencialidades que tenha no momento, pois todos aprendemos o tempo todo. O que não significa o tempo igual para todos.

Compete a equipe que será trabalhada com este sujeito avaliar sua história, suas habilidades e potencializar isto.


“Inclusão é levar alguém a alcançar algo que tem direito. Direitos, estes, muitas vezes violados. É a escolha para o crescimento. É criar caminhos de conhecimentos.

É não ter preconceitos e não resistir à busca pela cooperação. É a consciência que emerge das relações entre indivíduos indicando uma realidade de planejamentos e objetivos caracterizados pelos vínculos, conflitos e temores” (Fátima Alves)


Aspectos importantes para o desenvolvimento do mediado:

- Social

Troca com os colegas conforme a idade, atividades de vida diária, sentar-se para lanchar, escovar os dentes, retirar a agenda da mochila, ir ao banheiro, lanchar sozinho.


- Comportamental

Brincar de maneira adequada com os colegas, manter-se sentado durante o tempo necessário para realizar tarefas. Comportar-se de maneira esperada para sua idade mental ou cronológica.

- Emocional

Saber lidar com frustrações, com suas emoções e se comunicar adequadamente de acordo com sua necessidade ou o ambiente social. Interagir com as outras pessoas de maneira adequada.


- Cognitivo

Assimilar conteúdos com adequações necessárias e|ou sem.criar autonomia nas demandas pedagógicas de forma a realizar as tarefas adequadamente.

- Realizar diálogos adequadamente ou de forma de se fazer entendido.trocar com seus pares de maneira adequada à sua Idade mental cronológica sem que se utilize de birras ou gritos para realizar os mesmos.



O mediador é o facilitador no processo de aprendizagem, ou seja, ele é o intermediário entre a criança e o contexto escolar vivenciado por ela. Deve contribuir e encorajar a criança a ter iniciativa tornando-a mais ativa em sua vivência, dando-lhe autonomia para solucionar problemas e evitando que ela se desorganize e entre em crise, ajudando-a a desenvolver suas próprias conclusões através de estratégias mediadas.

Mediador x terapeutas e médicos assistentes x escola x família devem sempre caminhar juntos na construção de limite, formação de personalidade um ser ativo na sociedade em que vive.


Maria Claudia

Fonoaudióloga

Educação especial e inclusiva


Referências:

Alves, Fátima.inclusão: muitos olhares, vários caminhos e um grande desafio.5.ed.rio de janeiro: wak editora,2012.

Joia, Michele. A inclusão de crianças na escola – o papel do educador diante das dificuldades de aprendizagem.rio de janeiro: wak editora,2018.

Manual de promoção e prevenção de saúde na educação. Organização Michele joia.rio de janeiro: wak editora.2019



18 visualizações

Posts recentes

Ver tudo